4 de setembro de 2016

RESENHA: A Escolhida - Lois Lowry (The Giver #2)

A Escolhida - Lois Lowry

A única coisa que liga este ao livro 1 é a maneira como se devora as páginas. Muito bom. Um mundo totalmente diferente do anterior. Ambos se passam em algum momento no futuro, mas o vilarejo de Kira poderia muito bem ser alguma periferia desse nosso Brasil. Os papeis e sentimentos são os mesmos.

Kira é uma adolescente que acaba de perder a mãe para uma doença misteriosa. Seu barraco teve que ser queimado para evitar que essa doença se espalhasse e depois de cumprir o tempo de luto se vê sem ter para onde ir e com uma acusação por parte de uma vizinha invejosa que quer o terreno onde seu casebre ficava.

Além disso tudo, ela nasceu com um defeito em uma das pernas que faz com que a garota a arraste e precise de um cajado para andar. Ela é salva no julgamento devido a seu talento para bordar. Seus bordados são os melhores que muitos dos anciãos já viram na vida. Sua vida muda drasticamente. Ao que tudo indica para melhor.

O livro só começa a ficar realmente interessante depois desse momento, cerca do terceiro capítulo. O primeiro me prendeu desde as primeiras linhas. Nesse momento conhecemos Thomas, outro adolescente, ou 2 sílabas como as pessoas do livro falam, que mora no fim do corredor e assim como Kira, tem um talento acima da média. Ele é entalhador e faz milagres com madeira. Fiquei com pena de ele não ter sido tão explorado. O personagem tem potencial mas fica pelas beiradas, a autora poderia ter nos presenteado com mais um pouco de Thomas.

O terceiro personagem que mais aparece é Matt. Uma criança, ou pequeno, ou um de 1 sílaba. Ele é travesso, mora no Brejo, está sempre com fome, sujo porque não gosta de tomar banho e muito ligeiro. Está sempre acompanhado do cachorro, Toquinho. Me afeiçoei muito a esse menino. Se fosse de verdade traria para casa. 

A história segue os três descobrindo as coisas, cada um a sua maneira, desvendando os mistérios do vilarejo e o qual exatamente era ou seria o papel de cada um deles nesse mundo estranho. Um lugar que não aceita ninguém com defeitos e mesmo assim é bem deficiente. Não há a impressão de ter pessoas ricas, mas somente pobres, mais pobres e paupérrimos. Cada um tem sua função e nada muda. Apesar das revelações no final não é bem definido quem manda e quem desmanda. 

Assim como no 'Doador de Memórias' a história termina quando a personagem descobre o que tem que fazer. Há o sinal de algo mudou, mas não vemos essa mudança. Será que deu certo? Será que o planejamento dela falhou? 

O nome original, em tradução literal seria 'Buscando o azul' e preciso dizer que tem muito mais a ver com o enredo que "A Escolhida". O título em português fica parecendo que apenas ela tem um papel importante dentro desse universo, mas o que vemos é que há bem mais que isso.



Nenhum comentário:

Postar um comentário