7 de maio de 2016

RESENHA: The Naked Prince - Sally MacKenzie (Naked Nobility #6.5)

The Naked Prince - Sally MacKenzie

Apenas 116 páginas mas ainda assim uma grata surpresa. Adorei a história de Jo e Damian. Esse conto foi escrito para uma pequena coletânea chamada "A Invitation to Sin". Como eu ainda não sei se os outrs dois são independentes ou se tem algo a ver com séries das autoras, resolvi não ler.

Jo ou Josephine Atworthy tem 28 anos, mora no campo com o pai, dá aulas de latim para jovens das redondezas e é conhecida como uma puritana ferrenha. Se esconde atrás de vestidos horrorosos e tem como objetivos na vida evitar a falência do pai e  continuar a trocar cartas com um jornalista misterioso que ela fantasia como sendo o Príncipe Encantado que um dia cai tirá-la da vida que leva. Mesmo que ela saiba que há a grande possibilidade de ele ser velho, gordo e fedorento.

Lorde Damian Weston, o Conde de Kenderly há 10 anos tem uma reputação marcante como o Príncipe de Copas. Durante parte de sua juventude arrebatou tantos corações quanto Stephen Parker-Roth, seu melhor amigo. Mas há algum tempo ele tem preferido ficar recluso em meio às suas traduções. Ele sabe que está na hora de arrumar uma esposa mas não está realmente interessado nisso.

Os dois se "conhecem" na famigerada festa de São Valentim do Barão Greyham, a qual ela foi incluída de última hora e que ele só está presente para evitar que o melhor amigo seja pego desprevenido e se veja preso a um casamento que não quer.

A reunião é um tanto escandalosa para os padrões da recatada e virginal Jo, que se vê pareada com o Conde que é lindo, musculoso, cheiroso e inteligente, um intelectual na verdade. Ou seja, tudo o que ela sempre sonhou. E imaginem, arranca um beijo dela logo na primeira vez que se veem. E o pior ela não fica escandalizada e tem reações atípicas que a assustam.

Gostei do modo como a autora conduziu as interações entre os dois. Ele realmente tenta resguardar a honra dela e não a força a nada que não queira. É tudo muito rápido pois são apenas dois dias de festa, mas o sentimento entre eles é crível, apesar das dúvidas, nem ela nem ele ficam matutando, tentando achar desculpas para evitar que as coisas aconteçam naturalmente.  Há momentos para rir, para suspirar, para temer, para se surpreender, se indignar. Ou seja, é um conto bem estruturado apesar de suas poucas páginas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário