29 de abril de 2016

RESENHA: The Naked Laird - Sally MacKenzie (Naked Nobility #2.5)

 The Naked Laird - Sally MacKenzie

Deixou a desejar. O casal desse livro é chato. São duas pessoas egoístas que se casam muito jovens e por teimosia de ambas as partes ficam 10 anos separadas. A autora que delineou tão bem os casais anteriores parece ter feito esse às pressas. Era melhor ter ficado sem. 

Ian é um conde escocês de 30 anos. Ao longo dos últimos anos que passou em Londres colecionou amantes, muitas delas casadas ou viúvas. Desde que a esposa perdeu o filho, nunca mais voltou a vê-la até esse fatídico final de semana na casa do Visconde Motton.

Eleanor é a sua condessa, tem 27 anos e se casou com Iam, por amor, aos 17 anos. Logo no início ela engravida porém perde o bebê logo depois. Em meio a dor, medo, tristeza ela se fecha para o mundo e para o, segundo ela, insensível marido. Vai morar no campo até que recebe o convite da tia de Lorde Motton para um final de semana em sua propriedade.

A princípio achei muito interessante a ideia. Lady Smyth já havia mostrado ser casamenteira antes e aqui ela aparece como uma pessoa bem lúcida em oposição a visão excêntrica que temos no livro do Barão Dawson. Mas este casal se isola das festividades e passa o temo todo se lamentando pelos cantos.

Ele a ama e vice-versa, mas como duas mulas empacadas não veem isso e acreditam cada um na sua própria verdade. Ao fim da leitura eu passei a ver Eleanor como tendo mais culpa na separação que ele. Ela se perde em meio a sua ingenuidade por não saber que perder bebês no início da gestação é normal e passa a se fazer de vítima. Acredita piamente que é a mulher mais infeliz do mundo mas não faz nada para mudar isso.

Já Ian, depois de passar dois anos escrevendo cartas sem obter respostas, lava as mãos e resolve viver como solteiro, passando mais tempo em Londres pulando de cama em cama e ganhando fama de mulherengo. Quando se fosse mais corajoso teria ido até o interior confrontar a mulher e reaver o casamento. Não falo de se forçar para cima dela, mas de ficar cara a cara e ter uma conversa como adultos que são. 

Enfim, ao contrário dos outros livros da série que li até aqui este é descartável. Não tem a mesma leveza, os personagens não tem o mesmo carisma, não há momentos descontraídos. Nada realmente bom, nada que normalmente os leitores do gênero procuram. Só há problemas e mais problemas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário