9 de março de 2016

RESENHA: A Herdeira - Kiera Cass (A Seleção #4)


DESAFIO LITERÁRIO DO SKOOB
03/12 - Livro escrito por mulher

A Herdeira - Kiera Cass

Interessante. Mas só. Quando soube que a Kiera tinha escrito mais livros para a 'trilogia' fiquei com o pé atrás. Mas como sempre, não gosto de deixar série inacabada então aceitei o desafio.

Logo no início da leitura eu até considerei o enredo promissor, mas para minha decepção não passa disso, uma promessa. Há passagens bem legais, do tipo que te fazem grudar nas páginas, mas o fato de a protagonista ser tão desagradável mina qualquer oportunidade de melhorar.

O engraçado é que ela diz em algum momento que não entende como uma pessoa tão maravilhosa como a Madame Marlee pode ter tido filhos tão odiosos como Josie e Kile. Pois o que acontece é que Maxton e America que são um casal super fofo e apaixonado teve ela. Uma menina mimada, egoísta, vitimista e carente. 

Fiquei decepcionada por não ter cenas só entre os garotos, assim não tivemos a oportunidade de conhecer melhor eles. Mesmo sem isso, tive por várias vezes a impressão que um ou outro faria ela mudar um pouquinho de atitude, que ela se abriria de verdade e talvez se apaixonasse.

Tinha adorado os irmãos. Mas o final mostrou que ao menos Ahren é tão egoísta e infantil como ela. Ele teve motivos para fazer o que fez, mas como membro da realeza e namorando uma futura rainha, deveria ter mostrado um pouco mais de diplomacia. Ele só pensou nele e não é a toa que acontece o que acontece com a Rainha America.

Não sei se fui só eu, mas achei que o final não pareceu um final. Eu sei que ainda tem um quinto livro, mas terminar como terminou ficou com a impressão de ser o meio do livro. Aquele momento onde o protagonista tem uma epifania que muda totalmente seu destino.  Mesmo que essa tenha sido a intenção (não sei) da autora, de ter uma protagonista com mais cara de antagonista, cheia de defeitos, faltou mostrar mais o que faz dela uma boa personagem principal. [Spoiler grande a seguir]

Achei que ela  ia e apaixonar por Erik e sei lá, acabar com a Seleção ou então colocá-lo na disputa mesmo que 'extra-oficialmente'; achei que Josie causaria mais problemas, ou até se envolver com algum dos candidatos. Que ela iria conhecer melhor a criada, Nenna, a quem ela distribui patadas (intencionais ou não) e menospreza e acabar tendo alguma ideia mirabolante sobre como ajudá-la e ajudar o pai com a situação problemática do país. Ou até que o cenário político impactaria mais a seleção. 

Ao final da leitura eu fiquei com a impressão de que Kiera teve ideias demais e as jogou no papel  desordenadamente. Não houve um desenvolvimento coerente. E para alguém que estava sendo criada para ser a Rainha, algumas das ideias de Eadlyn para ajudar o pai eram bem infantis e amadoras.

Em suma: não passa de uma promessa, com passagens boas para distrair, mas peca totalmente em manter o nível dos anteriores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário