16 de dezembro de 2015

RESENHA: Almas Divididas - Gabriella Poole (Darke Academy #3)

Almas Divididas - Gabriella Poole


Um final de trilogia que excedeu minhas expectativas iniciais. O primeiro livro me causou um estranhamento antes de me acostumar com esse universo, o segundo foi relativamente interessante apesar da demorar para engrenar. Já o terceiro tem uma história bem interessante e bem montada.

A tradução e a edição pecaram. Muitos erros grotescos de tradução e vários erros de digitação, letras repetidas. No último terço do livro chegava a ter 2 ou 3 erros em uma única página. A história ainda bem se mostrou intrigante o suficiente para continuar. Caso contrário teria sido abandonado como tantos outros.

Cassie está mais centrada nesse volume. Acho que o fato de Ranjit não participar diretamente nessa parte da história contribuiu para que ela fosse mais sensata. Isabella está insuportável. Tudo bem que o namorado deu um fora e tal, mas é exagerada a reação dela. Os ataques de ciúmes porque Cassie está tentando se enturmar com os Escolhidos é patética.

Alguns dos outros escolhidos voltam a aparecer com mais frequência aqui, gostei dessa decisão. Entre eles há alguns personagens bem legais. Deu para visualizar melhor quem eles são e como funciona o grupo de Escolhidos.

Istambul foi mais explorada que Nova Iorque. Mas de maneira mais inteligente que Pais. Aqui o constante retorno aos locais da cidade não são apenas decoração, todos tem um porque que cedo ou tarde é revelado na trama.

Apesar de todos os pontos positivos não foi uma leitura que me fez grudar nas páginas. Lia cerca de 2 ou 3 capítulos por vez e não encontrei problemas para para a leitura quando necessário. Mas isso não é reflexo de falta de coisas interessantes. 

Enfim, é uma trilogia boa mas não tem perfil best-seller. Muitos leitores de fim de semana não teriam paciência para lê-los. Eu diria que pode ser uma boa opção de leitura de cabeceira para antes de dormir. Ler um ou dois capítulos antes de apagar as luzes, mas não uma opção para salas de espera intermináveis de médicos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário