27 de julho de 2015

RESENHA: Rush Sem Limites - Abbi Glines (Rosemary Beach #4)

Rush Sem Limites - Abbi Glines


Foi uma experiência diferente do que eu achei que seria. Não costumo ler livros com 'histórias' repetidas só que sob outro ângulo, não via graça. Sempre pensei que como já sabia o que ia acontecer não vibraria tanto com a leitura. Mas não foi assim. Arrisco dizer que gostei mais desse viés que do original. 

Rush me passou uma impressão de badboy clássico no primeiro livro. Já neste eu passei a considerá-lo como um solitário fingidor. É como se ele interpretasse um personagem para satisfazer as expectativas de quem está a volta dele. A solidão dele era palpável.

Ele se apaixona por ela praticamente à primeira vista. O que não me pareceu tão irreal quanto costumo achar. Glines realmente escreveu bem as cenas dele sozinho e fez um belo trabalho reescrevendo o que já tínhamos lido pelo olhar de Blaire. O que é muio interessante já que eu a considerava madura e inteligente para uma garota de 19 anos, mas ao vê-la sob esse novo olhar, passei a concordar com Rush. 

Ela é ingênua. Apesar de tudo o que passou, ela tem essa vibe de ignorar o que acontece ao seu redor. O que contribui para ser crível a diferença de idade. Rush que eu via como um garotão que nunca tinha se balançado por mulher nenhuma, passou a ser um adulto sob meu olhar e ela a garotinha do interior que realmente não sabe nada da vida.

Senti falta de mais interações com o Woods. Eu tinha essa ideia no meu imaginário que nessa releitura eu o veria mais por ser amigo dele. Mas não. Ele inclusive passa a impressão de ser mais babaca e mulherengo do que realmente é. Me surpreendi com Bethy. Sempre fui cética quanto a ela, mas bastou uns míseros parágrafos sob o olhar masculino de Rush para eu entender melhor essa garota. Percebe-se que debaixo de toda essa frivolidade há um espírito cansado, desiludido que tenta a todo custo esconder suas fraquezas e seus sentimentos. 

Bom, agora é ponderar se passo logo para a saga de Grant ou deixo estar por mais um tempo.



Nenhum comentário:

Postar um comentário