17 de fevereiro de 2015

RESENHA: Pode Beijar a Noiva - Patricia Cabot


RC 2015 - Livro que se passa em um lugar que sempre quis visitar
Desafio Loucas por Livros e Esmaltes: Verde + Viagem ou Casamento

Pode Beijar a Noiva - Patricia Cabot

Comprei esse livro por impulso faz tempo e sempre protelei. Ou seja, esse desafio foi perfeito para desencalhar esse livro da minha estante, e para uma leitura de férias/carnaval.

É um romance histórico típico em muitos detalhes. Temos a mocinha, o nobre, uma fuga para casar-se, algo que dá errado, um casamento que era para ser de aparências mas acaba virando algo definitivo.

Emma tem cabelos loiros e cacheados, olhos azuis e pequena estatura. Não se acha nada atraente e nutre uma vontade imensa de ajudar os menos favorecidos. Paixão essa que é a mesma de Stuart, por quem se apaixona e acreditar ser o homem certo para ela. Quando a família se mostra contra tal união, eles fogem, se casam e vão parar em um vilarejo na Escócia.

Stuart é citado apenas na história, em nenhum momento ele aparece ativamente na história, e deixa uma impressão de ser um banana puritano. Religioso ao extremo, acaba morrendo cerca de 6 meses depois da fuga deixando Emma viúva. O assassino de seu esposo louco de remorso, se mata e dexa uma fortuna considerável para ela. Mas nada pode ser simples e para receber o dinheiro ela deve se casar de novo. 

A partir disso, vários solteiros começam a cortejá-la de olho nessa bolada, mas Emma não se mostra nem m pouco desejosa de subir ao altar novamente, acredita que já teve vida conjugal por tempo demais nessa vida. Nessa hora é que chega o galã da vez, o Conde Denham que se revela apaixonado pela garota desde.. sempre. Querendo ajudá-la a conseguir o dinheiro, propõe um casamento de fachada até que a grana seja liberada e então, caso seja desejo dela, uma anulação.

Gostei muito dele. Achei um personagem cativante, agradável, um homem digno que distribui socos por aí, mas que ainda assim consegue ser gentil, não é um personagem que exale dureza por exemplo. Emma é meio chata. Ela quer passar a impressão de quem tudo sob controle mas se não fosse pelos outros à sua volta já teria se desmantelado. Como uma típica adolescente de 19 anos em qualquer século.

Dentre os personagens coadjuvantes, todos são engraçados de alguma maneira, ninguém é realmente mau, e até o próprio vilão da história acaba se tornando um personagem agradável, cheguei a sentir pena pelos infortúnios que o acometeram na vida. 

Em suma, é uma leitura agradável, um bom entretenimento. Não há muitos suspiros e a história é bem previsível para quem leu a contra-capa. Eu torci para que ficassem juntos mais por ele. Geralmente me vejo torcendo por ambos, mas Emma não me convenceu como uma heroína romântica. Dica para passar o tempo caso não tenha mais nada interessante para ser lido no momento, ou em casos como o meu, em que o livro se encaixa em um desafio literário.


Nenhum comentário:

Postar um comentário