4 de fevereiro de 2015

RESENHA: A Mala de Hana - Karen Levine



RC 2015 - Livro baseado em uma história real

A Mala de Hana - Karen Levine

Eu tenho esse livro físico perdido em algum lugar da casa, foi um dos que misteriosamente sumiram no ano passado. Como queria muito lê-lo, apelei para o epub. Valeu a pena, mas quem tiver a oportunidade de ter o livro nas mãos vai entrar mais na história por conta dos documentos e fotos que ele contém que acabam perdendo detalhes que não podem ser aumentados no leitor digital.

Ele é caracterizado como livro infantil e após a leitura, vendo a linguagem fácil da autora e a maneira como o assunto é tratado, realmente acho muito boa ideia dar esse livro para crianças acima de 9 anos. Essa é uma parte da história que não deve ser esquecida e portanto deve ser repassada aos mais jovens. O livro tem 112 paginas e é permeado de imagens.

O livro mescla momentos atuais e passagens em guerra. A mala de Hana, que morava na Checoslováquia, vai parar em um Centro Educacional do Holocausto em Tóquio no final da década de 90. Lá, a curadora do museu em empenha ara descobrir o que houve com a menina de modo a torná-la real para as crianças que participam de um projeto no Museu.

Mesmo não tendo nenhuma passagem pesada, me emocionei muito lendo. Hana era uma menina de 10 anos quando foi separada da mãe, depois do pai, dos tios e mal tinha completado 11 quando se viu separada do irmão George. 

No decorrer das páginas nós começamos a tomar conhecimento acerca do destino de cada uma dessas pessoas na vida dela. Primeiro ela vai para o Gueto de Theresienstadt e mais ao final da Guerra para Auschwitz onde morreu na câmara de gás.

Hana queria ser professora. Conseguiu. Sua história ajuda as crianças a entenderem um pouco desse capítulo horrível que temos na História. Eu já falei isso, mas tenho uma necessidade estranha de saber. Qualquer vítima do Holocausto é importante para mim. Eu preciso ler, preciso conhecer, preciso entender essas pessoas. Muitas vezes termino a leitura desses livros ao prantos, mas realizada. 

Eu fico feliz quando encontro histórias de sobreviventes que conseguiram se reerguer e com a sensação de dever cumprido quando a história de alguém que não teve sorte me é contada e assim eu possa passar adiante, perpetuando sua memória. Muitas vidas foram interrompidas, mas nunca serão esquecidas.

2 comentários:

  1. Oi querida
    Este está na minha lista tbe
    Vc leu A Chave de Sarah? Amei e super recomendo!
    Bjks mil

    www.blogdaclauo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Li sim Clauo! É lindo e muito triste também. Vi o filme e você?

      Excluir