11 de janeiro de 2015

RESENHA: O Delator - Tess Gerritsen


Desafio Corujesco 2015
01/12 - Um autor que indico para todo mundo

O Delator - Tess Gerritsen

Escolher o autor para esse primeiro mês de desafio foi fácil. Eu não me importo com o seu estilo favorito, eu indico Tess. Mesmo assim, esse foi o primeiro livro dela publicado pela Harlequin que li. Agora entendo porquê a Harlequin se interessou por ele.

Definitivamente o foco maior desse romance é o amor (que surge do dia pra noite) entre Victor e Cathy. Todo o fator policial é quase pano de fundo, sem essa confusão toda eles não teriam se conhecido e blá blá blá. 

Mas ainda assim, as características mais marcantes de Gerritsen estão lá. Há o crime, o fator biológico/médico, mas ao contrário dos títulos da Record, o par romântico não é esporádico, eles passam o livro inteiro juntos. 

E também não faltam as características marcantes dos romances típicos da Harlequin: Há uma cena de sexo apenas mas não ficou deslocada e era esperada; o casal se conhece há pouco tempo e mesmo não dizendo um para o outro, se amam; eles se tornam inseparáveis e ficariam assim mesmo sem estar correndo risco de vida, etc. 

Achei o enredo interessante, bem delineado, os personagens são críveis, a tensão foi bem explorada, há momentos descontraídos que quebram um pouco a tensão. Os personagens de apoio foram bem escolhidos, casam muito bem com a trama, agregando valor e sustentando as teorias. Não há personagens desinteressantes. Até a mãe de Milo, que não fala inglês faria falta. Gostei dela.

O desfecho. Ele tem o desenrolar típico de um livro policial, com as reviravoltas que se espera, mas também tem o caráter 'felizes para sempre' que todo romance romântico precisa. O casal fica junto, você sabia que seria assim, mas continua a leitura pois quer saber exatamente COMO vai ser. 

Como eu considero a Tess uma das melhores escritoras policiais / crime / thriller da atualidade, acho esse livro uma boa pedida para quem ama romances e tem vontade de conhecer outros estilos. Não é livro longo e a escrita é fluida, os momentos de romance permeiam todas as páginas do início ao fim sem deixar o lado tenso sem qualidade.

Não dá para explicar Tess. Você tem que ler para entender porque ela é incrível. Seja a saga Rizzoli & Isles ou os romances independentes, ela sempre traz boas personagens, tanto femininas quanto masculinas, um bom mistério, um crime intrigante, o fator médico ( o policial precisa do especialista para desvendar o crime), Ela é Tess. Se até Stephen King diz que não pode faltar na casa dele, quem sou eu para discordar!


Um comentário:

  1. Evelyn, como o Coruja (e eu) estava de férias, só agora vi sua primeira resposta do desafio (por sinal, depois passa lá pelo Coruja e coloca o link da resenha na parte do desafio desse mês, para todo mundo poder ver ;)

    Não conheço a autora - gosto de policial, mas na maior parte do tempo não saio do combo Sherlock-Poirot. Ainda assim, fiquei curiosa com sua resenha e com a caracterização que você disse que ela faz dos personagens. Vou buscar depois para ler também!

    ResponderExcluir